A Paz e a Humanidade

7d47e60ff5ebcf6908e43e544312d14c_XLPaz e humanidade. Ao refletir sobre essas duas palavras, dois conceitos, dois termos que provavelmente nos remeta a experiências diversas, podemos nos questionar: é possível uma união de significados, de sentido, entre “paz” e “humanidade”?

Humanamente, tendemos, por diversas vezes, a acreditar que não, ou até mesmo crer que a humanidade e o convívio social possam ser antagônicos à paz, e que paz é um estado puramente espiritual e deve ser buscado de forma individual. De fato, nossas experiências, se pararmos para analisar o todo, a história da humanidade, cheia de conflitos, crises, guerras, concupiscências, ódios, dificilmente encontraremos um elo de ligação com a paz social, ou a construção de uma sociedade e de um cultura de paz. Nossa juventude parece imersa na violência, na pobreza, na marginalidade, que alguns momentos parece difícil para nós acreditar que é possível sim, levar esperança e a consequente paz a essas realidades. Você deve pensar “estamos perdidos” ou “não tem jeito”, ainda mais com tantos problemas sociais e crises ideológicas vividas nos dias de hoje, parece compreensível que a busca pela construção de uma cultura de paz nos pareça cada vez mais distante.

Me toca o coração a recente frase do nosso querido Papa Francisco dita em sua viajem a Cuba e aos Estados Unidos: “Deus sempre quer construir pontes; somos nós que construímos muros. E os muros caem, sempre”. Eis o desejo de Deus para nós jovens, que sejamos construtores de pontes, promotores da paz, de uma cultura de paz, de solidariedade, de compreensão, de esperança. E como isso seria possível sem fixarmos o nosso olhar em Jesus Cristo? Não seria possível. Talvez seja essa a humanidade que precisamos mirar, traçar como alvo em nossas vidas, e almejar alcança-la: a humanidade de Jesus. A partir disso, a Igreja Missionária – nós – torna-se pronta, apta, vivenciada e experimentada em Cristo, em missão, promovendo a paz, como tantos santos e santas assim fizeram, foram e são sinal de Deus no mundo.

Ser cristão significa muito mais do que seguir a Cristo, sua Igreja, observar suas orientações, e tudo o que eu e você já sabemos. Ser cristão, hoje, em meio a tantos obstáculos da secularização, e aos desafios das nossas realidades, reflete-se na frase e no exemplo do Papa Francisco, que nos impulsiona a fazer mais do que estamos acostumados, a “ir adelante”, construir as pontes.

Que possamos ser agentes da transformação, promoters da paz, tendo como ponto de partida a humanidade de Jesus Cristo, nos inspirando, auxiliando, sendo exemplo para a nossa humanidade. #BoteFénaPaz #BoteFénaHumanidade

Diego Fernandez
Diego Fernandez Comunicação Tri Jovem