“Mestre, onde moras? Vinde e vede!”

Testemunhos de Victor e Joice, jovens que participaram do 11º ENPJ – Encontro Nacional da Pastoral da Juventude, representando a Diocese de Rio Grande:

11º ENPJ“Mestre, onde moras? Vinde e vede!” É com essa iluminação bíblica que vivenciamos a semana do Encontro Nacional da Pastoral da Juventude, ENPJ.  Um belíssimo encontro de formação, de cultura, mas principalmente de partilha, essa é a palavra que definiu estes dias. Viver com jovens dos Brasil inteiro num espírito de comunidade, viver com as famílias locais e fazer delas a nossa família também e principalmente conhecer a realidade dura dos ribeirinhos, dos que vivem em comunidades carentes, daqueles que vivem em grandes centros e dos doentes, vítimas da Hanseníase.

Foi um encontro de renovar a esperança, a esperança num Cristo jovem e comunitário, a esperança numa Igreja que celebra a realidade de seu povo, suas lutas, danças, alegrias e tristezas através de sua própria cultura. Renovar a esperança também numa juventude protagonista de sua história que vê o Cristo ressuscitado no irmão e não somente nos adornos e incensos do altar, que entende que a vida é construída pela luta e que nossos sonhos de um mundo melhor não se resolvem só com orações. Renovou nossa esperança de ter um clero que acredite na pastoral da juventude quando nos depararmos com tantos Padres e Irmãs pjoteiros e pjoteiras que viveram da mesma maneira que nós, comeram da mesma comida e partilharam o mesmo sonho.

Com relação à carta do Papa Francisco melhor nem comentar, ela fala por si, mas é um desejo muito grande que essa carta possa servir para que aqueles que não entendem o nosso trabalho o respeitem pelo menos. “A PJ é de Deus”, e vamos continuar trabalhando, sonhando, lutando e rezando para construir o reino de Deus, com justiça, protagonismo, livre do ódio e do preconceito.

Claudio Victor Neris dos Santos

 

 

11º ENPJ“E no encontro das águas, partilhamos a vida e pão, nossa foça e nosso alimento, e a utopia de um mundo irmão.” Este trecho do hino do 11º ENPJ resume bem o que se passou por lá. Partilhamos nossa vida com as famílias que nos acolheram, com nossos companheiros de missão e de luta. Partilhamos da realidade sofrida da periferia de Manaus, das comunidades indígenas e ribeirinhas. E através da iluminação bíblica “Mestre, onde moras? Vinde e vede!” Fomos e conhecemos a morada do mestre em meio ao povo da Amazônia. “Eles foram, viram onde o Mestre morava e desde então permaneceram com Ele.” (Jo 1, 39).

A Igreja da Amazônia é exemplo de Igreja profética, que carrega no seu DNA a luta pelo povo que sofre. Que sofre com a pobreza, com o tráfico humano, com o desmatamento, com a hanseníase, e com tantas outras mazelas. Conhecer jovens, religiosos e religiosas, leigos e leigas que vivem a mística da luta e partilha com os que sofrem é, sem dúvidas, um aprendizado para a vida inteira. Que, assim como eu, todos os jovens e as jovens que participaram do 11º ENPJ possam imitar a Jesus através do exemplo de mística e luta que tivemos da Igreja da Amazônia, e assim, renovar nosso compromisso de “Igreja pobre para os pobres” rumo à utopia de um outro mundo possível, a utopia do Reino.
Abraços fraternos e que a paz inquieta do Reino esteja sempre com vocês.

Joice Eslabão

 

Victor Neris e Joice Eslabão
Victor Neris e Joice Eslabão Pastoral da Juventude